Dance & Sex

c19c46622cc337057fa9c17cc20edf2aEm meio a uma dança com meu parceiro favorito, seguiu-se a seguinte conversa:

  •  – Ida, como você está leve! Gostoso dançar assim.
  •  – Sou leve, menino. O que acontece é que, às vezes, não estamos em sintonia. Daí, o clima e a dança ficam pesados.
  •  – Que nada! Já percebei que tem a ver com o  território.  Aqui te sentes à vontade. Percebo pelas tuas costas… Hoje, nenhuma tensão.

Não era bem isso, mas deixei para lá. Preferi continuar dançando aquele samba-canção que tanto gosto: sentir a música, a firmeza do toque, a respiração ofegante, em meio aos passos sincronizados, (quase) perfeitos.

Mais tarde, já ao som de Seven years old, mixado como zouk,

olhei para seu rosto e lá estava meu par, de olhos fechados, usufruindo daquele momento tanto quanto eu. Transcendendo, como denominamos esses momentos especiais de êxtase.

A dança é assim, traz-nos para o agora com a mesma intensidade e ao mesmo tempo que desfoca o mundo ao redor.

Mas não é sempre (nem para sempre!) que se dá esta sintonia tão prazerosa. Na verdade, ela é muito, muito rara.

À primeira vista, parece que existem alguns condicionantes afetivos, psicológicos e espaciais para que o encontro aconteça. Dizem uns que é preciso dançar bem, dominar a técnica. Muitos falam da pegada, da segurança, da concentração. Outros, da beleza e flexibilidade.   E por aí vai.

Tenho cá minhas dúvidas quanto à essencialidade desses quesitos. Por certo que o estado de humor, a afinidade, a música, o ritmo, a intimidade, a confiança, o lugar, a habilidade, podem mesmo facilitar ou dificultar a interação.

Até me disseram que se pode treinar para eliminar as interferências externas e induzir o estado de êxtase, num processo de imersão total em si mesmo.

Claro que ter este tipo de autocontrole é importante, mas acredito que estar imerso em si, não é o mesmo que compartilhar. “Cheira” um pouco a instrumentalização do outro, a coisificação do parceiro.

Eu, por preguiça ou por idealismo, prefiro a espontaneidade do acaso.

A afinidade espontânea (que na verdade nem é “tão espontânea”, pois vem das nossas preferências e valores interiorizados) dá-nos a sensação da descoberta, do insight por meio encontro.

Surpresa. Delícia. Êxtase.

Cá para nós, a dança é como o sexo. Mais do que técnica e conhecimento, é entrega, fruição. É sentir a si e ao outro como únicos, naquele instante, e estar disposto a se dar e a receber do outro, sem senões, sem condições, sem pressão.

Com vontade, respeito, leveza, alegria e tesão.

 

 

Anúncios

6 Respostas para “Dance & Sex

  1. Isanira Vaz Pereira Vaz Pereira

    Parabéns Ida. Vc é maravilhosa. Sucesso em sua carreira profissional e tb na dança de salão que é o que vc tanto gosta de fazer em suas ocasiões de laser.

    Curtir

  2. Desculpe Ida, olhar aguçado.

    Curtir

  3. Amei Ida Lenir. Seu olhar aguçado e penetrante mais uma vez em ação. Obrigada.

    Curtir

  4. Pingback: Dance & Sex — Blog da Ida Lenir | Diário de uma mulher despeitada

Sua opinião é importante. Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s